Casa Ronald McDonald’s

Tradução: Sigma
Narração: http://youtu.be/Zc8NCGkNhQo




Talvez você não saiba, mas nos Estados Unidos existe uma instituição de caridade chamada “Ronald McDonald’s House” traduzindo, “Casa Ronald McDonald’s”. Eles proporcionam reabilitação para famílias de crianças doentes quanto eles estão no hospital. Parece uma boa ação, certo?
Porém, há um outro lado. Há um outro tipo de Casa Ronald McDonald’s que muitas pessoas não conhecem.

Há pelo menos uma em casa cidade grande. Você não vai encontrá-la facilmente. Ela não tem endereço. Ela não tem uma placa na fachada informando que é lá.

A única maneira que você vai encontrar, é se você for levado para lá.

Foi assim que eu encontrei.


Deixe-me contar do inicio.
Eu nunca conheci meus pais verdadeiros. Eu estive dentro e fora de famílias de acolhimento e grupo de casa aqui em Detroid desde que eu era criança. Tenho 15 anos agora e eu sou o que eles chamam de garoto mau. Estou sempre causando problemas, sempre sendo expulso de alguma família e adotada por outra que acha que pode me ajudar. Eu sempre provo que estão errados.

Minha assistente social sentou do outro lado da mesa de metal preto, parecendo cansada e exausta. Em cima da mesa entre nó estava um envelope pardo, provavelmente meus documentos de adoção.

- Bem, sua reputação de garoto mau continua – Disse ela – Agora você só tem duas opções: Escola militar ou a Casa Ronald McDonald’s, que milagrosamente aceitou te receber.

Eu não tenho paciência para sargentos e acordar as 5 horas de manhã. E quão ruim poderia ser uma casa de recuperação em homenagem a um palhaço de fast food? Casa Ronald McDonald’s, eu disse.

Nuvens escuras pairavam acima de mim no dia que subi na traseira do carro para atravessar a cidade com minha assistente social. Meus poucos pertences estavam na mochila e a única roupa que eu tinha eu já estava usando. Um dos pertences que eu tinha era um álbum de fotografias, com fotos de todas as famílias que haviam me acolhido até agora. Era bom lembrar de alguns deles, mesmo que eu de alguma forma decepcionei cada um deles.

- Eu tive alguns casos que passaram pela Casa Ronald McDonald’s -  Disse a assistente social do banco da frente – Algo lá dentro ocorre bem para as crianças, eu nunca tive que transferi-los para outro lugar. Na verdade, a instituição assumi todas as responsabilidades e documentação por suas crianças, então provavelmente nunca mais nos veremos.

Ela dirigiu até o centro da cidade, passando por todos os lugares que já conhecia. Eu tinha sido expulso de uma casa de acolhimento fora da cidade, porque eu fui para o centro com algumas crianças vizinhas para esgueirar-se em um bar de mergulho. Bons tempos.

- Bem, aqui estamos nós.
O carro parou .


Eu olhei para fora da janela. Tínhamos estacionado na frente de um edifício cinza, sem janelas, prensado entre dois edifícios industriais em uma rua estreita da cidade. Notei que não havia fachada em nenhum dos prédios da rua, nem numeração. Não havia qualquer sinal de identificação.


-Tem certeza? – Eu perguntei, hesitando quando abri a porta do carro e sai do banco de trás. Pendurei minha mochila por cima do meu ombro, agarrando firmemente a cinta e segui a assistente social até as portas de metal. Ela apertou a campainha e falou com alguém no interior, com um click as portas destrancaram e nós entramos.
Assim que as portas de metal se fecharam atrás de nós, eu notei um silêncio profundo. É um tipo de silêncio tão opressivo e vazio que quase ensurdece você.
Do outro lado do saguão mal iluminado, havia uma janela de vidro com alguém dentro. Uma secretária. Ela se virou, digitando algo atentamente. Caminhamos até a janela. A assistente social tocou a campainha em cima do balcão e a secretária girou em sua cadeira.

O rosto dela estava pintada como um palhaço
Como Ronald McDonald’s , na verdade.
Ela tinha um cabelo curto e encaracolado e usava um vestido branco, típico de enfermeira.
Eu queria rir de quão bizarro era, mas não podia. Um calafrio desceu minha espinha. Algo estava errado. Eu observava a enfermeira e minha assistente social interagindo, a papelada foi entregue pela janela. A assistente social deslizou meus arquivos sob o vidro, enquanto a enfermeira deslizava alguns papéis para assinar.
Quando minha assistente social assinou os papéis, a enfermeira olhou para mim. O sorriso dela deveria ter sido quente e acolhedor... mas tudo que vi em seus olhos era fome.

- Eu não posso ficar aqui! – Eu gritei alto – Me leve para escola militar! POR FAVOR!


Qual o problema querido? – A enfermeira perguntou com a voz abafada ligeiramente pelo vidro – Medo de palhaços?

Olhei em seus olhos famintos. Agora havia um brilho malicioso quando ela riu. Minha assistente social riu distraidamente também e disse:
- Agora não faça escândalo Você odiaria a escola militar. Além do mais, isso vai ser bom para você!



-Isso mesmo – Disse a enfermeira palhaça – Isso vai ser muito bom para você.
Antes que eu pudesse protestar, ouvi um estrondo atrás de mim.
Virei-me para ver uma porta aberta, no canto mais distante da entrada, à esquerda da janela da recepção. Não havia ninguém lá, apenas a luz inundando a partir da porta.


Então as sobras rastejantes, estridentes, ecoando risadas e sombras que cresceram ao longo da parede no interior da porta.

- Oh! aí vem o comitê de boas-vindas ! – Disse a assistente social.


Enquanto eu olhava com horror, segurando a alça da minha mochila, minha assistente social me deu um tapinha no ombro pela ultima vez e disse:
- Não se preocupe querido. Vai ser diferente dessa vez. Você vai se sentir em casa aqui, eu prometo.
Ela se virou para sair, eu senti uma agitação no meu estômago.

-Não – Eu disse desesperadamente – Você não pode me deixar aqui!
- Ah não, eu tenho que ir. Eu nunca gostei de palhaços.

E com isso ela me deixou lá. As portas de metal bateu atrás dela e eu estava sozinho.

Eu enfrentei a porta aberta pela recepção novamente. As sombras quase entrou na sala e as risadas começou a preencher o silêncio do hall.
Corri para a porta da frente. Bati, puxei, empurrei e grite. Gritei por socorro, gritei para minha assistente social,  gritava por ajuda para que alguém me ajuda-se

Me virei para ver a enfermeira atrás da janela de vidro sorrindo para mim de novo.
E em seguida, eles entraram, todos rindo ao mesmo  tempo.
Um grupo de enfermeiras rindo com os rostos de palhaço e cabelos ruivos. Alguns homens, algumas mulheres, mas todos com a mesma maquiagem aterradora do Ronald McDonald’s. E sob a luz fraca do lobby, eu pude ver o brilho de ferramentas de metal em suas mãos.  Na parte de trás tinha um par de enfermeiros palhaços rolando uma maca de hospital.

- Saiam de perto de mim – eu gritei. Bati nas portas de metal novamente. – Deixe-me sair daqui!
Eles me cercaram. Me agarraram enquanto eu me debatia, gritara e tentava me afastar. Eles riam mais alto enquanto eu chutava. Eles me amarraram na maca de rolamento.
Eu olhei ao redor freneticamente. Eu estava cercado.

- Deixe-me ir! – Eu gritei, me torcendo, girando e tentando puxar as restrições.
Eles me levaram pela porta aberta e por um corredor branco, aparentemente interminável. Eles riram e riram e riram. Eles acenaram seus bisturis brilhantes, navalhas de barbear e agulhas a poucos centímetros do meu rosto, só pra me fazer recuar e gritar. Isso fez eles rirem ainda mais.
A última coisa que me lembro antes deles finalmente injetar uma agulha em mim, foram dedos enluvados cutucando dentro de minha boca e puxando para os lados, distorcendo meus gritos e me forçando um sorriso pouco natural. Estava quente por causa de uma respiração na minha cara, ouvi apenas um sussurro em uma voz pervertida falando as palavras:
- Nós gostaríamos de te fazer sorrir!

Então um sorriso maníaco começou a se formar naturalmente em minha boca e tudo escureceu.



Eu abri meus olhos, estava cego por luzes brilhantes acima do meu rosto. Eu afastei as luzes florescentes, olhei ao redor.


Eu estava em uma célula. Parede brancas bem altas coberto de marcas, arranhões e manchas vermelhas. Uma pequena fuga no canto do piso, meu banheiro talvez. Uma porta sem janelas, e no chão perto da porta, minha mochila.


Eu tentei me sentar. Meu corpo ainda doía, minha visão começou a girar. Queria saber com que eles me drogaram pra eu me sentir assim.
Eu estava tremendo. Olhei para baixo, eu não estava mais com minhas roupas antigas, eu estava usando um vestido de hospital rasgado e sujo.

Eu ouvi fracos sons abafados de algum lugar do prédio. Soou como gritos
Eu tentei me levantar, mas não consegui manter o equilíbrio. Minha visão estava começando a estabilizar, mas meu corpo eu ainda sentia como se fosse borracha. Cai de joelhos e me arrastei até minha mochila.

Antes de ir até a mochila, eu tentei abrir a porta, mas como eu esperava, estava trancada.
Eu cai no chão ao lado da minha mochila e abri o zíper.
Tudo que restava dentro era o álbum de fotos. Eles tinha tomado meus cadernos, canetas e meu celular, como era de se esperar.

Eu abri o álbum de fotos. Mas em vez das fotos que estavam antes, fotos minhas com famílias que me adotaram anteriormente, fotos onde eu tentava ficar feliz, em vez de todas essas fotos... agora eram fotos de cena de crime. E eu reconheci cada uma das vítimas, eram todas minhas ex-famílias adotivas, brutalmente assassinados e cobertos de sangue.
Meu coração disparou e meu estômago se revirou. Eu comecei a avançar as páginas mais rápido. Cada página, uma nova foto, uma nova família, mais carnificina. Reconheci o rosto e o interior de suas casas. Eu tinha vivido com todas essas pessoas. E agora eles estavam todos mortos.

Eu cheguei nas ultimas páginas.

Uma foto de uma casa à noite.

Em seguida, A janela de uma casa.

Uma foto dentro da casa.

Um corredor escuro, com uma luz que vinha de uma porta.

Em seguida, uma foto da minha assistente social escovando os dentes em seu espelho do banheiro.

Em seguida, uma foto dela olhando para a câmera aterrorizada.

Em seguida, uma foto da assistente social, nua, coberto de seu próprio sangue, contorcida em uma posição não natural em sua banheira.

Virei-me para a última página . Escrito no interior da tampa traseira do álbum de fotos apenas três palavras.

 ---------------------------------------------------------

VOCÊ
NUNCA
EXISTIU
  

----------------------------------------------------------

Eu senti bile subindo no meu estômago. Eu joguei o livro no chão e se arrastou até o buraco no chão e vomitei.

Eles estavam certos. Todos que me conheciam estavam mortos, era como se eu nunca tivesse existido.

Ouvi mais fraco gritos ao longe. Eu sabia que tinha que sair dali.

Limpei o vômito do meu rosto com o vestido do hospital e me arrastou de volta para minha mochila. Esperando que eles não tinha encontrado a minha arma secreta. Eu descompactei o bolso da frente e estendi a mão para a parte inferior, meus dedos raspando o tecido. Com certeza, lá estava, quase indetectável. Grampos que uso para invadir casas e roubar coisas. Como eu te disse, eu sou um garoto mau.

Encostei meu ouvido na porta para escutar. Eu podia ouvir passos se aproximando. Mas assim os passos continuaram e desapareceram na outra direção. Eu sabia que tinha que trabalhar rápido. Eu sacudi o punho com o grampo na fechadura e com a outra mão mexi na maçaneta. Foi surpreendentemente simples.

Segurando a alça, eu lentamente me levantei. Eu podia me manter equilibrado agora. Eu puxei a porta apenas alguns milímetros para ver do outro lado.
Uma enfermeira palhaço correu passando em frente a porta. Meu coração quase parou. Mas ela não me notou.

Eu coloquei a minha cabeça para fora da porta. Corredores brancos aparentemente interminável em qualquer direção. Os gritos distantes eram mais alto agora, vindo de todos os lados.

Respirando fundo, eu entrei no corredor e fechei a porta atrás de mim. Eu decidi ir para a direita. Passando por portas, todas idênticas, eu ouvi os gritos e soluços vindo de trás de cada uma. Eu parei por um momento em uma porta. Eu ouvi o choro de uma criança dentro. Eu balancei a maçaneta para ver se eu poderia ajuda-lo. Mas estava trancada.

Eu continuei meu caminho, olhando atrás de mim a cada poucos segundos para garantir que nenhuma das enfermeiras me viram pelos corredores. Então eu passei um conjunto de portas duplas brancas. Eu parei por um momento.

A palavra playplace foi escrita em letras altas e colorias, finas no sentido da largura de duas portas. Eu ouvi mais gritos vindo de dentro, os gritos de várias pessoas. E um riso. Um insano riso estridente de enfermeiras palhaços. Eu estremeci. Eu tinha medo de descobrir que tipo de tortura estava acontecendo lá dentro. E eu sabia que tinha que manter meu caminho.

Eu vi uma porta à frente com um símbolo de escada. Eu fui para lá.

Quando abri a porta, olhei para trás e vi dois enfermeiros palhaço emergentes da sala de playplace. Suas roupas de enfermeiros brancos estavam cobertos de manchas de sangue. Eu rapidamente me fechei para a escada, esperando que eles não tinham me notado.

A escada estava mal iluminada, com paredes de cimento e grades enferrujadas. Olhei para trás para a porta que eu tinha acabado de fechar. Tinha um número 5 em vermelho na porta, por isso deveria estar no 5 º andar. Eu decidi que tinha de chegar ao nível do solo.

Cada passo ecoou quando eu comecei a descer as escadas. Eu não conseguia ouvir mais os gritos, apenas um, o som baixo zumbido profundo, como tubulações nas paredes. Foi uma pausa bem-vinda.

Eu finalmente cheguei à porta número 1. A escada ainda parecia descer alguns andares mais baixos, mas eu parei aqui e lentamente espiei pela porta. Mais corredores brancos. Não há enfermeiros palhaços para serem vistos. Deveriam estar longe.

Entrei pela porta e sai para o corredor. Eu percebi que não ouvia qualquer grito neste piso. Apenas o zumbido das luzes do tubo fluorescente acima.

Eu fui para o final do corredor e outro conjunto de portas duplas. Uma grande cruz vermelha, o tipo que você veria em um suporte de salva-vidas ou um kit de primeiros socorros, foi pintado em toda a largura das portas. Eu pressionei meu ouvido na porta. Tudo o que eu ouvi foi um pulso lento, cadenciado como uma máquina no trabalho. E  fracamente, um sinal sonoro.... como você ouviria em um quarto de hospital.

Eu sabia que não deveria abrir a porta. Eu sabia que isso não era a saída, eu sabia que eu deveria continuar procurando.

Mas eu tinha que ver.

Virei a maçaneta. Não estava trancada. Olhei para dentro.

Era um quarto branco cavernoso. Lâmpadas fluorescentes piscaram e acenderam. Vi fios pendurados por toda parte e...

E... pendurado no teto, enfileirados...

Crianças. Crianças em vestidos do hospital como o meu, ligado a cruzes de madeira brancas fixadas no teto. Literalmente crucificado.

Eles ficaram em silêncio. Suas cabeças caídas para a frente, com os olhos fechados ou olhando para o nada. Alguns pareciam se contorcer um pouco. Suas cruzes balançou frente e para trás muito ligeiramente.

E os fios de suspensão... eles não eram fios. Eram tubos intravenosos ligados aos pulsos das crianças. Tubos sugando seu sangue.

Eu quase vomitei de novo ali mesmo.

No centro da sala, em meio às fileiras de cruzes penduradas, eu podia ver onde o som pulsante rítmica veio. Um cilindro de aço enorme, que parecia estar recolhendo o sangue de todos os tubos de emaranhados que pendiam dos pulsos das crianças.

Eu abri minha boca para gritar...Para chorar de raiva...

Tudo o que eu podia dizer era : "Que porra é essa?"

Foi quando os alarmes começaram a soar. Um barulhento, penetrante, como as sirenes da polícia do inferno. Eles devem ter percebido minha ausência.

Fechei as portas e freneticamente olhei ao redor do corredor para ver se alguém estava chegando. Ainda não me encontraram. Eu corri para a escada.

Assim que entrei na escada, ouvi risadas de cima. Ecoando ao longo da escada. As enfermeiras palhaço estavam chegando.

Eu tropecei para as escadas o mais rápido que pude. Devo ter descido mais três andares antes de eu chegar no porão. Eu me vi correndo através de um corredor de esgoto do tipo escuro, com pequenas lâmpadas gerais a cada 10 metros ou mais. O cheiro de carne podre decadência  cresceu mais e mais, pungente enquanto eu corria.

O riso continuou atrás de mim. Eu consegui olhar para trás e ver um grupo deles correndo atrás de mim. Vi-os vir para a luz e em seguida, tornar-se silhuetas de novo, seus rostos sorridentes e reluzentes, facas e agulhas empurrando minha adrenalina ao máximo. Corri passando por empilhados e apodrecidos cadáveres. Mas eu não podia parar. Eu não conseguia pensar em nada além de escapar.

Eu virei a esquina e me vi de frente para os degraus de metal de uma escada na parede. Subi até a minha cabeça bateu no teto.

Abaixo de mim, as sombras e risos se aproximava. Seus passos desaceleraram. Eles estavam perto e eles sabiam disso.

Eu empurrei para o teto acima de mim, levantando para cima, ofegando e gritando. Os palhaços estavam abaixo de mim, rindo e acenando seus bisturis. Algo cortou minha perna. Eu gritei e empurrou uma última vez.

O teto cedeu como uma tampa de bueiro no asfalto acima. Uma abertura circular. Saí e freneticamente empurrou a tampa de bueiro para trás por cima do buraco, bloqueando o riso das enfermeiras palhaço abaixo.

Eu fiquei lá em cima da tampa de bueiro por alguns minutos enquanto eu recuperava meu fôlego. A chuva caiu sobre a minha pele. O céu noturno turbulento acima foi uma visão bem-vinda.

Olhei em volta. Edifícios abandonados, vidros quebrados. Sem luzes. Não há carros. Não há sinal de qualquer vida em todo lugar.

A sirene da polícia em algum lugar distante. Depois o silêncio. Uma cidade fantasma urbana.

Eu me levantei. A dor atravessou minha perna. Olhei para baixo e vi o corte no meu tornozelo, onde uma enfermeira palhaço tinha me cortado.

Mancando o melhor que pude, comecei a andar.

- Olá? - Eu gritei para fora. A única resposta foi um distante trovão. - Alguém ME AJUDE POR FAVOR !

O meu pé pisou em algo macio. Olhei para baixo. Um jornal. Eu peguei do asfalto molhado. A maior parte da tinta tinha desaparecido, mas eu era capaz de ler a data: 22 de março de 2006.

Eu joguei o jornal de volta, um pavor gelado encheu meu estômago. Eu continuei andando .

- Alguém pode me ouvir? POR FAVOR! Qualquer pessoa...Por favor...

Minhas palavras se desvaneceu com soluços delirantes. Fiquei parado por um momento. A chuva havia encharcado o meu vestido do hospital fino. Eu tremia enquanto o vento soprava .

Então, eu vi uma luz na distância. Era uma grande letra amarela, a letra "M" no céu. A logomarca do McDonald’s, Claro. Eu manquei em direção a ela.

Quando eu cheguei ao McDonald’s, eu vi que além do M, o resto do edifício estava completamente escuro. Eu andei cautelosamente em direção às janelas quebradas e olhei para dentro.

Eu me virei e examinei o playplace, parque infantil ao ar livre. Dez pés de estruturas altas de tubos coloridos para as crianças brincarem. Sentado em um dos bancos era uma figura familiar. A estátua de Ronald McDonald’s. Você sabe, aquele onde você poderia sentar-se ao lado dele e parece que ele tem o braço em volta dos ombros. As pessoas gostam de tirar fotos ao lado dele.

Eu estremeci com a visão.

As portas estavam destrancadas. Entrei para sair da chuva. Silêncio. Escuridão.

Notei que a decoração não era como o McDonald’s moderno "Era da mesma forma que era na década de 80, com as cabines de plástico branco e as telhas vermelhas e amarelas. O vento parecia sussurrar através das janelas quebradas.

Notei algo no balcão da frente. Um retângulo preto. Cheguei mais perto. Um notebook praticamente novo. Deixei escapar uma risada suave, delirante. Eu sabia o que deveria fazer.

Então eu peguei o computador, fui para fora e me sentei ao lado da estátua de Ronald. Abri o laptop e comecei a escrever esta história. A chuva está caindo sobre as teclas, mas eu não me importo. Não há mais nada a fazer senão esperar.

Porque eu tenho observado, no canto do meu olho... Ronald está tentando olhar por cima do meu ombro.

Ele está rindo agora.

Tudo que posso fazer é rir junto com ele.



Tradução: Sigma