Só mais uma história de terror...


Jonathan estava sentado e tremendo no escuro. Ele olhava fixamente para o nada, seus olhos não penetravam o círculo de escuridão que o cercava. Uma única lâmpada iluminava a mesa redonda onde ele sentou-se, permitindo que ele enxergue levemente as bordas do mesmo e nada mais. Um bule de chá e uma xícara meio vazio no centro da mesa. Com a mão trêmula, ele estendeu a mão para xícara e levou-a para seus lábios e não olhava para ela enquanto ele bebia. Ele colocou o copo para baixo em um pires. O copo sacudiu contra ele, o único som para salvar o trovão que retumbou na distância .

Ele ouviu alguém apertar o interruptor de luz do quarto. Jonathan fechou os olhos por um momento, temporariamente cego pela claridade da luz que encheu a sala. Abriu-os novamente para ver uma pequena cozinha, branca. Uma única janela e duas portas quebrou a série de gabinetes da cobriam as paredes.

De pé em uma porta aberta era Chris, amigo e companheiro da casa de Jonathan. Ele tinha uma mão no interruptor de luz.

- John, o que você está fazendo? Já passou da meia-noite ! - Perguntou Chris.

Jonathan ficou olhando para a frente e não respondeu.

- John, me responda. Esta é a terceira vez que eu peguei você assim. O que você está fazendo?

Depois de um momento de pausa Jonathan respondeu, falando com uma voz seca, calma .


-
Eu tive o sonho de novo.


Ele ainda olhava sem piscar para a janela, embora ele não parecia notar o que estava por trás dela.
Chris se encolheu.

Há meses, Jonathan tinha experimentado o mesmo sonho recorrente. Nele, ele ficou de fora de sua própria vida, olhando para ele. Assistiu ele viver a sua própria vida, passando a mesma rotina diária e experiências várias e várias vezes. No entanto, alguma coisa sobre tudo parecia irreal. Todas as suas ações eram artificiais, todas as suas conversas parecia planejada. Uma estranha sensação de que algo não estava certo aumentou em sua cabeça, preencheu sua mente e aumentou mais e mais e mais e mais. Lentamente e assim gradualmente ele mal percebeu que suas ações foram substituídas por palavras. Em vez de ver as coisas acontecerem, ele lia em uma parede maciça de texto que descrevia cada movimento seu. Seus diálogos eram seguidos de um travessão. Logo toda a sua vida parecia ser um romance, corria para a frente em direção a uma conclusão de que sempre foi cercado de neblina. Quando chegou ao fim, ele sempre acordava, mas o sentimento nunca mais saiu de sua cabeça. Mesmo que às vezes, quando ele estava acordado, ele começou a perder os seus sentidos de normalidade. Por breves momentos, quase imperceptível, ele viu os objetos descritos no texto e não em sua própria forma e os seus próprios movimentos pareciam ser descritos por um narrador sem nome.

Chris suspirou e caminhou para a frente. Ele descansou a mão no ombro de Jonathan e falou com uma voz reconfortante.

- Olha, John, eu sei que você está preocupado.
Mas você tem que lembrar que é apenas um sonho! Você tem estado muito estressado ultimamente e começou a ter pesadelos. Acontece, você não tem nada com que se preocupar

Jonathan riu levemente. - Oh não, não, não é.

- O que você quer dizer? Olhe, John, volte a dormir. Você está começando a me preocupar.

Pela primeira vez naquela noite, Jonathan se levantou e enfrentou Chris. Ele era mais alto do que Chris, e a sombra lançou obstruído rosto de Chris.

-Não me diga que você ainda não teve esse sentimento!
um sentimento rastejando, avançando e suspeitando de que algo não está certo? Tudo isso só parece muito dramático, muito conveniente? Isto não é como
REALIDADE deve ser!
Isto não é como as pessoas devem estar falando, não é assim que eles agem!


Jonathan percebeu que ele estava gritando e então parou.
Ele respirou fundo e tentou se acalmar, descansar a cabeça entre as mãos.

Chris olhou para ele com olhos preocupados.- Tudo bem John. Basta voltar a dormir agora. Amanhã vamos fazer uma consulta com a Dra. Dickinson. Ela já te ajudou com seus sonhos antes, e ...



- Não - disse Jonathan , balançando a cabeça - Não, eu não vou voltar para a Dra.
Dickinson! Ela não vai corrigir isso, ela não vai resolver o problema. Ela não existe eu nem acho que ela é uma das personagens.

- John, o que você está falando? Uma personagem do quê?

- UMA HISTÓRIA! Você não entendeu ainda? Eu não sei se é uma comédia ou um drama, ou o que ... Mas todos nós somos parte dela e eu não acho que ela faça parte da história.


Essa era a parte mais terrível dos seus sonhos.
Ele sentiu como se centenas de olhos estavam lendo o texto junto com ele, aprendendo todos os seus movimentos como se fossem pontos da trama em uma história. Ele ainda tinha a sensação naquele momento, que de uma forma estranha, torcida, que estava sendo observado.

Chris olhou para ele, sem saber o que dizer. Jonathan levantou-se de sua cadeira e olhou para ele, segurando as mãos diante de si mesmo como se implorando para Chris de entender. A xícara de chá caiu de sua mão, quebrando no chão.

-Olha , isso não é tudo muito conveniente? Nunca percebeu isso? Ouça o que o trovão. Não parece como um cenário perfeito? E tudo é um cenário! As luzes quando você entrou, a xícara de chá, por Deus! até mesmo a maneira que eu estou de pé! Isto não é como as coisas funcionam! Eles não se reúnem para fazer temas! O tempo não deve apenas atender o meu estado de espírito assim. Você não percebe isso?

Chris foi pego de surpresa.

- Bem uhh ... John, isso é tudo ridículo.
Tempestades acontecem, se você está com raiva é problema seu. O chá foi um acidente, e podemos comprar xícaras novas. Agora o que é isso sobre a Dra.
Dickinson? O que quer dizer que ela não é um personagem?

Jonathan voltou, segurando a cabeça entre as mãos.

- Eu sei que eu não vou ver o médico, porque ela nunca foi descrita.
Eu não tenho ideia de como ela é. nós nunca vimos ela.

-O quê?

- Se fosse na vida real, então haveria centenas de pequenas e insignificantes coisas acontecendo.
Eu gostaria de saber de dezenas de pessoas e detalhes sem importância. Mas esta não é a vida real, e qualquer coisa que não faz parte da história não serão descritas. Eu não estou indo para ver a Dr.
Dickinson. Fora desta conversa, ela não existe, e não sei mesmo o como ela se parece. Enquanto o narrador desta história não descreve-la nós nunca saberemos como ela é!

-John, isso é ridículo!
Você esta ficando completamente louco.


-
Sério? Então me diga como ela é?
       

Chris abriu a boca para responder, depois parou.
Ele percebeu que ele realmente não tinha idéia.

- Bem, ela era uma psiquiatra...



-
que me ajudou com os sonhos antes? É isso que você ia dizer? Porque isso foi estabelecido para essa conversa. Você não tem ideia de como é ela, não é?

Chris fez uma pausa. Isso era exatamente o que ele ia dizer, até referindo-se a Jonathan na terceira pessoa . Pareceu-me estranho.

- Bem, isso não significa nada! devo ter esquecido, só isso. Nós não vimos ela há meses. De qualquer forma, não é importante, o que é importante é que...

- Pare de tentar racionalizar o que não deve ser! Não há nenhuma razão para nós não sabemos a aparência dela. É apenas uma maldita história, isso é tudo o que é. Olhe pra você, tentando mudar de assunto para esconder as peças que não foram concretizadas! Isto não é como as pessoas agem Chris.

- Bem, tudo bem, mas ainda assim isso não quer dizer nada. É apenas uma pessoa.

- Ah, é mesmo? Descreva o nosso vizinho para mim. Descreva seus pais. Descreva qualquer pessoa que não esteja diretamente relacionada com esta conversa! Se conseguir descrever qualquer eu acreditarei em você.

Chris olhou para ele em choque, sem saber o que dizer. Ele procurou em sua mente para qualquer coisa, algum vizinho, uma imagem de seu pai, mas não encontrou nada. Ele tentou várias vezes, mas não via imagem alguma em sua cabeça.

- Bem ... Oh Deus ... Eu não sei. Talvez todos nós estamos apenas cansados. - Disse Chris .

- Obrigado Chris. Haha, Chris ou Cristo, a minha vontade de ser protetor e salvador, que brilha uma luz em minha escuridão! Bem, são apenas imagens, certo? Assim como a tempestade? Tudo bem então. O que você tem para o café da manhã?

- Eu não sei! Não é importante!

- EXATAMENTE! NÃO É IMPORTANTE! Não sabemos de nada que seja importante para essa conversa. Por que isso? Por que diabos isso acontece? É tudo muito conveniente! Olha, se isso é realmente uma casa que temos vivido há muito tempo, você deve ser capaz de responder a essa pergunta pelo menos. O que está por trás daquela porta? - Jonathan apontou para a porta fechada do outro lado da cozinha.

- Eu ... eu não sei. Eu não sei o que dizer.

- Exatamente! Não há nenhuma razão para duas pessoas que viveram em uma casa durante anos, não saber o que está por trás de uma única porta. Ele só só foi relevante quando acendeu as luzes, por isso não foi descrita.

- Tudo bem John, tudo bem. Digamos que você está certo e estamos apenas em uma história, o que tem lá então? Será que é para abrirmos a porta?

- Eu não sei. Ela está lá por uma razão, agora temos prestado a atenção para isso. Agora, deve haver algo importante.

- Oh Deus, então agora você acha que apenas falar sobre coisas, podem influenciar o universo maldito? Isso é loucura.

- Não, não é loucura! Olhe, é como o chá. Eu segurei o chá de modo que o vidro foi chocalho e o copo quebrado poderia representar minhas emoções. Agora que prestamos a atenção para essa porta, ele deve representar alguma coisa. É assim que funciona, não é? Você acendeu a luz, luz de inundação em minha escuridão, mas eu neguei e coloquei em minha sombra. - Por um segundo, ele fechou os olhos. Ele não tinha visto Chris apertar o interruptor, mas as palavras "Ele tinha uma mão no interruptor de luz " inundaram sua mente em letras pretas. - Está tudo prenunciando! Assim, como a cozinha tinha duas portas, uma aberta e outra fechada, há algo importante por trás da porta fechada. Você veio para me ajudar a resolver isso na primeira parte. A segunda parte acontece por trás daquela porta.

- Bem, o que então, devemos abri-la?

- Eu não sei. Nós não sabemos o que está por trás disso. Nós nem sequer sabemos que tipo de história é esta!

- Isso é verdade... Poderia ser um drama, uma ação, uma comédia ... Isso não seria tão ruim. Talvez tudo isso é apenas uma piada!

- Sério? Você quer viver em uma comédia? Você percebe as pessoas estariam rindo de nós, todos os nossos movimentos? E se somos apenas dois palhaços para as pessoas zombarem? Oh meu Deus, Se fôssemos apenas dois idiotas de desenho animado, não é mesmo?

- Eu... eu não tinha pensado nisso. Mas ainda assim, é melhor do que uma tragédia.

- Eu ... eu não sei. Olha, nós podemos resolver isso. Não pode ser uma ação, nenhum de nós sabemos lutar ou manusear armas. - Jonathan falou, percebendo que ele estabeleceu como verdade quando disse isso.- Eu não acho que é uma comédia, porque provavelmente seria capaz de se lembrar de coisas mais engraçadas que acontecem. Então, novamente, talvez não seriamos parte do enredo... Eu não sei.



- Espero que seja um drama ou um romance. Imagine se essa coisa toda era apenas para definir-nos com alguma mulher perfeita? - Disse Chris, esperançoso.

- Eu não sei. Olhe, nós deveríamos ser capazes de dizer o que é isso em nosso entorno. A escrita e descrições devem refletir o que o enredo é. Devemos ver prenúncio, talvez possamos pegá-lo . - A realização lenta começou a nascer em Jonathan. Embora ele se manteve adivinhando, em seu coração, ele sabia exatamente o tipo de história que ele estava.

- Tudo bem, então o que podemos aprender com esta cozinha - perguntou Chris.

Jonathan pensou por um momento. - Tudo nesta conversa e as coisas que temos conversado giram em torno de mim mesmo. Eu acho que é seguro dizer que eu sou o personagem principal aqui.

- Tudo bem - disse Chris, balançando a cabeça e seguindo adiante - Então o que aconteceu com você recentemente?

- Estou preocupado com Chris. Com os trovões, a escuridão, os pesadelos, a xícara quebrada... eu não acho que esta é uma história feliz. Alguma coisa ruim vai acontecer e isso vai acontecer em breve.- Enquanto ele falava, um trovão, mais uma vez cresceu no horizonte e um relâmpago encheu a janela com luz irregular.

Chris indagado disse - Tudo bem então. Será que devemos abrir a porta? Nenhum de nós sabe o que está por trás disso, eu acho que é seguro dizer que não era suposto para nós sabermos. De alguma forma, você quebrou o roteiro. O que vamos fazer?

Jonathan apertou os olhos fechados e agarrou a parte de trás de sua cadeira. Antes ele não tinha percebido que havia uma cadeira atrás dele. Os nós dos dedos ficaram brancos. Finalmente, ele falou - Se este é o tipo de história que eu acho que é, eu não acho que nós temos uma escolha. Ou vamos passar por aquela porta e descobrir o que está por trás dela, ou o que esta lá vai vir e nos pegar. Se nós somos os personagens principais, então deve ser seguro. Normalmente eles sobrevivem.

- Normalmente? Nem sempre.


- Normalmente.

Chris olhou para Jonathan, então para a porta. - Tudo bem então, vamos acabar com isso. Se eu sou o ajudante aqui, eu acho que é o meu trabalho. Eu sou Cristo desta história, certo? Eu trago a luz em áreas escuras? Eu sou o sacrifício?

-Chris! Não brinque com isso! Olhe, eu não sei se...

- Não se preocupe! Como você disse, estamos a salvo, certo? Nós somos os personagens principais. Nós não morremos no primeiro ato. Talvez isso vai acabar sendo uma grande piada de qualquer maneira.

Embora ele ainda estava apavorada, Jonathan balançou a cabeça lentamente. Ele não podia deixar de pensar que, ao quebrar seu próprio enredo, eles não estariam mais seguros como os heróis de uma história. Ele temia o que o narrador poderia dizer. Ele viu Chris andar para a frente e abrir a porta com cuidado. As dobradiças rangeu quando ele se abriu e uma nuvem de poeira entrou na cozinha. Ficou claro que a porta não havia sido aberta por um longo, longo tempo.

A porta estava perto mas escura como breu. Chris abriu uma gaveta próxima e pegou uma lanterna. Ele ligou e ele brilhou para escuridão revelando uma estreita escada de madeira que desceram entre duas paredes de pedra. Ele caminhou lentamente para baixo as escadas. Jonathan seguia logo atrás dele para a escuridão desconhecida.

Chris chegou ao final da escada e fez uma pausa. Ele virou-se para em uma pequena sala, brilhando sua luz ao redor.

-Oh meu Deus John. Esta não é uma comédia. É uma história de terror.

Jonathan seguiu seu olhar para encontrar seus piores temores confirmados. O chão da sala estava coberto de sujeira preta fina. haviam dezenas de ossos e esqueletos quebrados e espalhados, juntamente com armas antigas. As paredes estavam cobertas de sangue escrita vermelha rabiscada em dezenas de idiomas, a partir de runas antigas de letras modernas em línguas que nenhuma pessoa poderia entender.

- CORRA CHRIS! Não deviamos ter vindo aqui! - Jonathan gritou enquanto corria pelas escadas. Todo o edifício começou a tremer. Ouviu um baixo estrondo, ele uma vez pensou que era um trovão, mas tornou-se um ruído contínuo que parecia vir de todas as direções ao mesmo tempo. Ele correu para a cozinha, mas parou na porta. Os armários na outra extremidade da cozinha começou a perder sua forma. Começaram a derreter e depois se transformaram em palavras escritas, sendo substituídos por descrições de si mesmos. Nas paredes foram escritos as frases: "Gabinete branco Grande, com uma alça de prata. Pequeno gabinete fino, com um punho de ouro. Forno elétrico, fogão de quatro bocas, FRUFRU fruteira com sdfstl como mltae preto escória asdf SDGdsg sdfsdg & hellip; " sdg dsg sdfg

sdgf gf

f
sd

d
As palavras começaram a deslizar para baixo, misturando e formando rabiscos indecifráveis ​​antes de desaparecer em um crescente mar de branco. Jonathan percebeu que depois de ter encontrado a verdade e quebrado o seu papel, ele havia retirado a mesma coisa que segurou a trama juntos. Ao ir para fora de sua própria história, ele havia destruído seu universo ficcional.

Chris não parou quando Jonathan fez. Ele correu nas costas de Jonathan, e ambos caíram para a frente. Chris parecia não perceber o que estava acontecendo e se arrastou para a frente, gritando para Jonathan para continuar correndo.

- NÃO! NÃO VÁ LÁ ! Não é real ! - Jonathan gritou. Chris gritou quando ele finalmente viu paredes derreter em torno dele. Ele se arrastou  para a escada, mas foi superada pela parede descendente de letras. Seus pés começou a mudar lentamente. Seu rosto se contorceu em uma expressão de horror incompreensível quando viu as pernas dissolver-se em letras , em seguida, desaparecer para sempre. Ele continuou rastejando para a frente, mas nada que pudesse fazer mudaria o seu destino.

Jonathan assistiu em terror como seu amigo dissolvido no esquecimento. O próprio universo que ele morava se dissolvendo em torno dele. Ele se virou e começou a descer as escadas de novo, preferindo o horror dos esqueletos à morte certa na cozinha.

Ele tropeçou na parte inferior e caiu no chão de terra. Sua cabeça raspada ao longo do chão, formando uma ferida aberta em sua cabeça que começou a escorrer sangue. Com os olhos bom, ele virou-se para ver o seu destino. O muro de letras que se aproximava descendo as escadas, então parou na base. As letras moldados em conjunto, preenchendo todos os espaços em branco e formando uma parede preta. Jonathan sentiu e percebeu que passou a fazer parte do mesmo muro de pedra que agora rodeava. Usando a lanterna, ele olhou em volta. Ele foi preso em uma sala de pedra quadrada não mais de vinte metros de diâmetro.

Jonathan sentou-se no centro da sala, sem saber o que fazer. O tempo parecia escapar e ele não tinha conhecimento de sua passagem. Ele não tinha idéia se ele estava lá por alguns minutos, dias, anos, ou mesmo séculos. Ele simplesmente permaneceu preso sozinho na escuridão. Embora ele já deve ter adivinhado que ele estava lá por dias, a bateria da lanterna nunca acabou, e o sangue nunca parou de escorrer de sua cabeça. Não havia nada para ele fazer e ele não sentiu nenhuma razão para se mover.

Sozinho com uma eternidade para si mesmo, ele começou a contemplar o que tinha acontecido. Ele pensou sobre sua própria vida de sua existência, e como ele tinha chegado a existir. Ele pensou consigo mesmo. Parecia errado pensar dessa forma. ' Próprio ' implícito que ele era um verdadeiro ser vivo, e ele não tinha certeza se isso era realmente apropriado. Ele lhe convinha mais a pensar na terceira pessoa, como ele teria sido escrito na história. Seria justo dizer que ele nunca foi nada mais do que isso, uma criação ficcional?


    
Seus pensamentos se voltaram para o quarto. Ele não tinha idéia de onde ele estava, ou como as pobres almas que se tornaram os esqueletos que o cercavam haviam encontrado seu caminho para a pequena cela , escura. Talvez ele iria se juntar a eles. Talvez alguém viria a habitar o espaço pequeno, e ele iria embora para sempre. Talvez tudo isso já tivesse acontecido e sem um sentido de tempo que ele não tinha percebido isso. O pensamento enviou um arrepio na espinha. Ele não sabia o que era pior, uma vida eterna em uma gaiola, ou simplesmente deixar de existir, sem nenhum sinal do que ele foi. Sem noção do tempo, neste mundo estranho, como ele saberia que isso já não havia acontecido antes? Talvez ambas eram verdadeiras de sua própria maneira. Ele percebeu que ele precisava deixar algum tipo de marca permanente, para que de alguma forma, talvez, uma outra pessoa poderia saber que ele existiu. Ele precisava contar sua história. Com todo o tempo que se possa imaginar de sobra, e pouco tempo a perder, ele pensou sobre o que ele tinha que fazer.


     
Depois de algum tempo, embora ele não tinha ideia de quanto, ele se levantou novamente. Como se compelido por uma força invisível, ele caminhou em direção à parede. Ele mergulhou a mão no sangue que escorria pelo seu rosto e colocou sobre a pedra. Ele fez as linhas que formavam letras, então as letras formaram palavras e, finalmente, as palavras formaram uma história.

Quando ele terminou de escrever, ele começou a ler a própria história "
Jonathan estava sentado e tremendo no escuro. Ele olhava fixamente para o nada..."


Tradução e adaptação: Sigma