Ela encontrou o caminho da minha casa

Por favor, eu não sei o que fazer. Tentei contar à minha esposa sobre isso, mas ela é professora de ciências e graças ao meu passado de brincadeiras, ela acha que eu estou brincando agora.

Há algo me perseguindo. Eu não sei o que ela quer, mas quase todas as noites desde que comecei a vê-la, ela me aterroriza. Não me toca, não se comunicar de nenhuma forma, ela só me enche de horror. Se eu parecer divagar, por favor, perdoe-me... Eu não durmo há vários dias.

Vivemos no segundo andar de um duplex com escadas para baixo a parte de trás da casa para o porão onde as máquinas de lavar roupa estão. Há uma porta no fundo das escadas antes da porta do porão que dá para a nossa varanda dos fundos e para o quintal. Seis dias atrás, eu estava indo para o porão para trazer alguma roupa e eu olhei para fora da porta quando eu passei. Havia uma figura de pé na borda mais distante do nosso quintal. Ela estava de costas para mim e ela só estava ali de pé, olhando para a floresta além do nosso quintal. Ela estava vestida com nada além de um vestido de luz. Tinha muito material que fluía lentamente com o ar do vento. A cena toda me assustou instantaneamente, mas eu pensei que ela poderia ser uma amiga do nosso vizinho de baixo, então eu caminhei para o porão. Quando voltei, ela não estava lá.

Na noite seguinte, eu fui para baixo de novo e quando passei pela porta de trás olhei para fora. A mulher estava de volta. Ela estava exatamente como na noite anterior, de costas e imóvel. Os pelos dos meus braços e pescoço se endireitou quando a vi. Fiquei ainda mais assustado quando percebi que ela estava com as mesmas roupas da na noite anterior. Foi quando eu fiz algo que não deveria ter feito... Eu abri a porta dos fundos. Inclinando-me para fora, eu chamei ela para ver se ela estava bem. Ela não respondeu. Ela não fez qualquer tipo de indicação de que ela me ouviu. Lá estava frio, então eu fechei a porta e tranquei-a. Voltando lá pra cima, depois olhei pela janela e ela tinha ido embora novamente.


Mais tarde, naquela mesma noite, eu estava no quarto, me preparando para ir dormir. Tudo estava escuro porque a minha esposa tinha ido para a cama antes de mim. Nosso quarto tem vista para o quintal e meu lado da cama enfrenta as janelas, então eu tenho que ir até o outro lado do quarto para subir na cama sem acordar minha esposa, de repente eu tive a mesma sensação terrível no fundo do meu estômago que eu tinha começado a primeira vez que eu vi a figura no quintal. Algo me obrigou a hesitar pelas janelas. Minhas mãos tremiam enquanto eu puxei a cortina um pouco e espiou através das sombras para o quintal. Era uma noite clara, de modo que o quintal não estava envolto em trevas. A mulher estava em pé no meio do quintal, não estava mais na borda da mata, estava de frente para a casa com a cabeça inclinada para cima olhando diretamente para a janela que eu estava espiando. Eu me afastei de imediato, com medo que ela tinha me visto. Seu rosto estava coberto com a sombra dos seus cabelos, mas consegui ver seu queixo e nariz. Um nariz pontudo e um queixo fino. Cinza. Sua pele parecia acinzentada eu acho. Seu cabelo é preto e longo. Eu estava tão assustado, pulei na cama e me cobri com as cobertas.

No dia seguinte, eu brinquei la fora na neve com a minha filha de quatro anos. Ela queria que eu puxasse seu trenó para o quintal, mas apenas o pensamento de voltar lá me deu medo de novo, então eu falei para ela cavar buracos na neve no quintal da frente. Naquela noite, as coisas foram de mal a pior. De alguma forma, eu tinha conseguido esquecer a mulher. Mas no meio da noite, minha filha começou a chorar. Nosso quarto fica do outro lado do corredor do dela. Eu pensei que ela poderia precisar usar o banheiro ou apenas ter tido um sonho ruim, então eu fui para o quarto dela para ver se ela estava bem. Ela estava descoberta, enrolado como uma bola em seu colchão. Puxei as cobertas sobre ela e foi quando ela sussurrou para mim.

- Papai, há alguém no meu armário.

Me arrepiei instantaneamente. Virei minha cabeça lentamente para a porta do armário no final de sua cama. Normalmente, o armário ficava fechado, mas agora estava aberto. A mulher estava em pé no armário da minha filha. Nem mesmo quando ficou claro que eu a vi ela não se moveu nem fez nenhum som, apenas ficou lá e me olhou através da porta aberta. Meu sangue gelou quando a vi.

- Levante-se! - eu disse à minha filha - Venha para meus braços rapidamente. Rapidamente - ela veio e me abraçou com força, eu andei para trás para fora do quarto, observando o armário o tempo todo. Em minha mente eu imaginei fechando a porta trancando ela la dentro. Mas eu só abracei minha filha e andei para trás no meu quarto. A mulher nunca apareceu na porta. Eu não ouvi nenhum movimento do quarto da minha filha. Coloquei-a na minha cama e fiquei observando a porta para seu quarto. Eu não voltei, eu só estava lá e observando e ouvindo. Quando eu finalmente tive coragem de voltar para cama, eu não dormi.

Domingo, eu disse a minha esposa tudo. Eu disse a ela sobre a primeira vez que vi essa mulher, eu disse a ela sobre quando à vi pela janela. Eu disse a ela que ela tinha aparecido no armário de nossa filha. Ela me disse que não era engraçado, que eu era o culpado pelos pesadelos de nossa filha e que eu não deveria incentivá-la a ter medo de seu armário.

Domingo à noite, minha filha me chamou de seu quarto novamente. Me chame de covarde, mas eu não podia voltar para aquele quarto. Chamei ela em silêncio para vir até nossa cama, mas ela chorou e disse que ela estava com medo. Eu queria ir buscá-la, mas eu estava com medo também. Eu disse a ela para puxar seus cobertores e se cobrir. "Apenas cobra-se querida e você vai ficar bem. Rezei para que fosse verdade. Fiquei ali, à espreita sobre a forma adormecida de minha esposa e para o corredor para a porta fechada do quarto de minha filha e só ficava rezando. Ouvi-a chorar um pouco mais, então ela ficou em silêncio e eu esperava que ela estava dormindo.

Segunda-feira, eu empilhei alguns brinquedos em frente à porta de seu armário. Nessa hora, não havia nenhuma dúvida em minha mente que isso era uma espécie de fantasma ou aparição, mas continuei empilhando de qualquer maneira, como se uma pilha de brinquedos poderia impedir um fantasma.

Segunda à noite, minha filha não chorou, mas eu não dormi. Fiquei ali, olhando para o teto, tenso. Por volta de 02:00, eu ouvi a porta do meu quarto se abrindo e rangido eu sabia que algo estava errado. Minha filha deve estar com medo e pensei, então eu chamei para ela como antes - Venha você pode dormir em nossa cama filhinha - Mas ela não veio. Olhei por cima de minha esposa.


A mulher estava ali, de pé na soleira da porta do quarto de minha filha. Seus braços pendurados ao seu lado, com os ombros para baixo largado. Seu vestido estava sujo, como se não tivesse sido lavado há anos e pendurado para fora de seus gostos trapos rasgados. Eu não estava respirando, eu não estava piscando, eu só olhei para ela e ela olhou para mim e eu pensei é isso, eu vou morrer. Ela não se moveu, não fez um som. Eu sussurrei: "Por favor, vá embora. Por favor, me deixe em paz. Por favor, me desculpe." Eu não conseguia desviar o olhar. Se eu olhasse para longe, ela vai chegar mais perto. Eu tinha certeza disso. Se eu fechasse meus olhos, quando eu abri-los, ela vai estar de pé em cima de mim, olhando para mim. Em algum momento, ela se foi. É como se eu dormisse com os meus olhos abertos. Eu não me lembro dela desaparecer, só que eu estava olhando para a porta e ela não estava mais lá.

Ontem à noite, eu fiquei acordado, esperando. Eu disse a minha esposa para fechar a porta do nosso quarto porque a luz da noite no corredor estava me mantendo acordado. Foi estúpido. Eu não sei o que eu estava pensando. O tempo passou, ouvi o rangido a porta do quarto de minha filha. Prendi a respiração. Então eu ouvi o assoalho ranger corredor e eu comecei a tremer incontrolavelmente. Eu ouvi a nossa porta do quarto sendo aberta e eu sabia que ela estava ali de pé, na porta, sem se mover, olhando para mim. Eu não olhei. Eu não podia. Eu fiz o que eu tinha dito a minha filha fazer e puxei as cobertas sobre minha cabeça.

Eu sou uma bagunça completa. Um zumbi no trabalho. Eu não quero mais voltar para casa. Acho que vi a mulher em outros lugares. Um olhar enquanto estava dirigindo e ela  sentada no banco do passageiro do caminhão atrás de mim, ou em pé na rua enquanto eu caminhava. Apenas sentada do outro lado mesa na hora do jantar, alguém passa por trás de mim e eu ja pulo assustado. Tenho medo de me virar, ela estarlá, esperando para mim olhar para ela. E se eu visse o rosto dela? Eu não quero ver. Eu não quero mais vê-la, mas eu não sei o que fazer. A única esperança que eu tenho, é que por motivos alheios minha esposa pense em nos mudarmos. Mas o nosso contrato de locação é até maio. Eu não sei se posso aguentar por muito tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário