O melhor psicólogo escolar no mundo


Quando eu tinha doze anos, cheguei à conclusão de que todos no mundo, incluindo a minha própria família, me odiava. Eu nunca fui uma criança problemática, mas meus pais sempre estavam me tratado como tal.

Por exemplo, eu precisava estar em casa antes das 17 horas todos os dias. Isso claramente restringida minha quantidade de "tempo para brincar" ao ar livre. Eu não tinha permissão para trazer amigos para brincar em casa, nem permitido a ir à casa de qualquer outro. Eu tinha que fazer a lição de casa logo depois que eu chegava da escola, não importa quanto tempo levasse. Meus pais se recusaram a me comprar qualquer vídeo game e obrigavam a ler livros e, em seguida, escrever um relatório do livro para provar que eu realmente tinha lido.

Agora, mesmo que essas regras listadas acima foram bastante frustrantes para mim quando criança, não foi a coisa que mais me chateou. O que realmente me machuca é a falta de compaixão em nome dos meus pais. Minha mãe era uma mulher amarga que sempre me fez sentir culpado de acidentes ou erros que cometi. Meu pai só demonstrava uma emoção: frustração. A única vez que ele falou comigo foi quando ele gritou comigo para receber os resultados dos testes escolares ou me bater por mau comportamento.

Mas já disse o suficiente sobre eles, vamos falar sobre o psicólogo da minha escola. Para sua própria privacidade, vamos chamá-lo de Dr.Tanner. Como a maioria das escolas secundárias dos Estados unidos, um psicólogo está sempre disponível no campus durante o horário escolar para ajudar todos os estudantes que necessitam de aconselhamento emocional, acadêmico, social, comportamental e etc.

Para ser honesto, eu nunca vi nenhum dos estudantes a falando com o Dr. Tanner. Todos os dias, eu passava por seu escritório no meu caminho ao refeitório a espreitar através de pequena janela de sua porta. Ele sempre estava sozinho ali, trabalhando em algum documento.

Eu imaginava que a maioria das crianças estava com muito medo de falar sobre os seus problemas com um adulto, especialmente para um desconhecido. Por esta razão, eu levei três semanas para reunir coragem suficiente para ir ao seu escritório. 07 de abril de 1993, foi o dia que eu decidi expressar meus problemas ao Dr.Tanner. Durante a pausa para o almoço, eu estava na frente da porta de seu escritório e bati.

Através da janela, eu podia vê-lo levantar a cabeça, sorrir e fazer um movimento para eu entrar, assim eu entrei.


Ele me cumprimentou com a introdução de si mesmo e perguntou o meu nome. Dr.Tanner era um homem de muita de fala mansa que parecia irradiar bondade. Em menos de 30 minutos, eu divagava com o Dr.Tanner sobre o modo que meus pais me tratavam e como eles não se preocupam comigo por nada. Depois de um tempo, minha voz começou a tremer e eu parei de falar. O psicólogo ouviu pacientemente toda minha situação de braços cruzados e sempre concordando com a cabeça. Eu meio que esperava que ele começasse a falar que eu estava enganado e que os meus pais me amavam muito e blá blá blá. Mas ele não o fez.

Dr. Tanner se inclinou para mim com um sorriso no rosto e disse:
- Fique sabendo... eu sou o melhor psicólogo da escola no mundo. Eu prometo que vamos resolver isso.

Eu revirei os olhos.
- Tudo bem, mas como? - Eu perguntei.

- Eu tenho os meus caminhos, sou um homem de palavra. Eu prometo que dentro de apenas um mês, a relação entre você e seus pais vão mudar para melhor. Para sempre.

Após uma breve pausa, ele continuou;

- Porém, eu preciso de você para me faça uma promessa. Você tem que me prometer que vai vir ao meu escritório, depois da escola amanhã e que você não vai contar a ninguém que nós tivemos essa conversa hoje. Será o nosso pequeno segredo.

Eu prometi.

No dia seguinte, voltei para o Dr. Tanner depois da escola. Foi por volta das 16 horas quando entrei em seu escritório. Depois de uma recepção calorosa, ele me pediu para ter me sentar na frente de sua mesa mais uma vez.

Ao me sentar, assisti Dr. Tanner fechar as cortinas da janela, então ele sorriu;
- Agora nós temos toda a privacidade que precisamos!

Começamos a falar sobre os meus gostos e interesses, meus assuntos favoritos na escola, meus professores menos favoritos e coisas desse gênero. Cerca de uma hora de conversa, o Dr. Tanner me ofereceu um refrigerante.

É de bom grado aceitei a oferta, considerando que os meus pais nunca me permitiu beber refrigerante. Dr. Tanner estendeu a mão para o seu frigorífico e tirou duas pequenas garrafas de refrigerante já abertas sobre a mesa.

Depois, continuamos a falar sobre o que estava acontecendo na minha vida, mas não demorou muito para que eu desmaiasse sob o efeito de quaisquer drogas  que o Dr. Tanner colocou na minha bebida.

Levei um minuto ou mais para ajustar a minha visão embaçada ao acordar...

... E quando o fiz, eu não tinha ideia o que pensar.

Eu estava algemado a uma cama e minha boca foi selada com fita adesiva. Eu imediatamente comecei a entrar em pânico, me contorcendo e puxando as algemas, mas desisti logo em seguida.


Meus olhos se arregalaram em descrença depois de olhar ao redor da sala. Havia cartazes de super-heróis fixados ao longo das paredes e fotografias de atletas famosos nas prateleiras. No meio da sala havia uma velha e enorme televisão, um Super Nintendo e vários cartuchos de jogos empilhados ao lado dele.

Eu não sabia o que pensar. Aqui estou eu em uma sala cheia de itens que a maioria das crianças morreria para brincar. Eu provavelmente teria chorado de alegria não tivesse eu sido algemado a uma armação de cama.

Meu estômago afundou mais uma vez quando a porta se abriu e o Dr. Tanner entrou. Ele sentou-se na beirada da cama.

- Agora escute - disse ele - lembre-se que eu estou aqui para ajudá-lo e eu nunca iria machucá-lo, ok?
Dr. Tanner removeu cuidadosamente a fita da minha boca e em seguida, as algemas de minhas mãos.

Meu primeiro instinto foi começar a chorar, mas algo sobre o Dr. Tanner me fez sentir seguro. Ele sorriu para mim.
- Você vai ficar aqui por um tempo e durante este tempo, você tem permissão para brincar com todos os brinquedos nesta sala enquanto eu estou aqui em casa. Mas quando eu sair de casa, eu vou ter que algemá-lo uma de suas mãos de volta para a cama. Você ainda pode assistir televisão, mas eu quero que você assista os canais de notícias quando eu estiver longe.

Sentei-me em silêncio, ainda tentando processar a informação que ele tinha me dado.

- Então... Vá em frente e divirta-se; Eu estarei de volta quando for hora do jantar.

Ele se levantou da cama, atravessou a sala e clicou botão de energia da TV antes de trancar a porta atrás dele.

Vários minutos se passaram antes que eu percebi que o Dr. Tanner não estava brincando. Tudo o que restava para eu fazer era ligar o Nintendo e jogar Mario até o anoitecer.

Por volta das 19 horas, o Dr. Tanner voltou para a sala com dois pratos de purê de batatas e tiras de frango. Eu finalmente reuni coragem para perguntar a ele quanto tempo eu ia ficar neste quarto.
- Bem, cerca de um mês - ele respondeu – ou pode levar apenas algumas semanas. Eu só tenho alguns trabalhos que eu preciso fazer.

Na manhã seguinte, acordei para a mão de Dr. Tanner batendo na minha cabeça.
- Hey camarada, você não tem que acordar agora se você não quiser, apenas preciso colocar isso de volta - ele sussurrou, apertando a algema de aço frio para o meu pulso.

Olhei para ele. Ele estava vestindo uma camisa de colarinho e calças, um casaco coberto por cima do ombro e uma mala ao seu lado. Ele parecia exatamente como ele sempre estava quando eu o vi em torno da escola. Antes de sair, ele colocou o controle remoto perto de mim e disse-me para ligar e assistir o noticiário local.

A primeira coisa que eu vi quando liguei era um segmento de "Notícias de última hora". Um oficial da polícia importante estava em cima de um pódio cercado por pessoas com microfones.

- Temos vários investigadores trabalhando com o objetivo de identificar potenciais sequestradores, mas até agora não há muita evidência. Membros do corpo docente afirmam que o menino tinha sido visto pela última vez por volta das quatro ou cinco da tarde no...

Comecei a me sentir enjoado quando uma fotografia minha apareceu na tela. Era a minha imagem do anuário do ano passado. Legendas para a fotografia exibida meu nome e idade, minha escola, e minha cidade. Acima da minha imagem foram alternando títulos: FBI COMEÇA BUSCA DA CRIANÇA E POSSÍVEL SEQUESTRO EM ESCOLA ESTADUAL.

As filmagens ao vivo continuaram e agora minha mãe e meu pai se aproximaram do pódio. Ambos pareciam ter olhos avermelhados. Lágrimas escorriam pelo rosto de minha mãe quando ela pegou um microfone.

Eu nunca tinha visto tanta emoção vindo de minha mãe antes que ela chorou ao vivo na televisão, gaguejando em frases como - Por favor, devolva o meu bebê de volta para mim – e - Eu sinto muito – e - por favor, traga-o de volta para casa.

Quando meu pai pegou o microfone, eu quase esperava sua atitude fria como sempre, mas ele também tinha lágrimas em seus olhos. Ele implorou ao mundo para trazer seu filho para casa em segurança e por fim implorou por meu perdão!  - Eu sei que não tenho sido o melhor pai, mas porra que eu gostaria de ter sido agora. Por favor, traga meu filho de volta.

Virei à alimentação logo após. Minhas emoções foram misturadas, pois eu nunca tinha visto nenhuma vez o meu pai chorar.

Me sentir miserável que os meus pais estavam sendo submetidos a tanto, mas ao mesmo tempo senti um alívio. Agora eu sabia o quanto minha mãe e meu pai me adoram.

Quase quatro semanas se passaram e o Dr. Tanner tem me tratado com o maior respeito. Ele me deixa na manhã algemado para a estrutura da cama, mas retorna à tarde para almoçar e jantar comigo, também conversávamos e jogávamos vídeo game juntos. Eu nunca teria imaginado o quão bom o Dr. Tanner era no Super Mario.

Mas uma manhã, quando o Dr. Tanner me acordou antes de ir para o trabalho, notei um olhar severo em seu rosto. Eu também percebi que ele tinha acordado três horas mais cedo do que quando ele geralmente me acorda.

- É preciso ver as notícias de hoje. Sem exceções. Eu quero que você mantenha a televisão ligada o dia todo e preste muita atenção às noticias – afirmou ele, severamente.

Eu, é claro, obedeci e o vi sair do quarto.

Cerca de duas horas mais tarde, um segmento de notícias de última hora interrompeu o comercial creme dental que eu estava assistindo. O título era:

RESTOS HUMANOS ENCONTRADOS

Dois homens vestindo ternos, ficaram de lado um do outro e começaram a falar:


- Estamos descontentes para trazer essa notícia triste nesta manhã em relação ao nosso caso de criança desaparecida no início deste mês.

Um dos homens baixou a cabeça enquanto o discurso folheou alguns papéis. Ele continuou:

- Restos de um corpo foram encontrados em um saco de lixo debaixo de um viaduto. O corpo parece ser a de uma criança, embora seja muito difícil distinguir. O corpo foi decapitado e queimado até as cinzas e ossos.

A tela se deslocou para uma visão de helicóptero no alto de uma estrada, dezenas de carros de polícia se reuniram perto do fundo de um viaduto. A voz do homem ainda podia ser ouvida:

- Dentro da sacola a polícia encontrou uma carteira de identidade do ensino médio fundamental, rotulada como tal.

A tela mostrou o cartão de identificação da escola que eu sempre mantive em minha mochila. O plástico derreteu, mas a minha foto e nome estavam intactos.

Depois a câmera mostrou ao longo de meus pais. Eles estavam sentados entre os jornalistas; O rosto de minha mãe realizou uma careta dolorosa e meu pai chorava com a cabeça para baixo em seus joelhos.

Eu desliguei a televisão nesse ponto.

Dr. Tanner voltou para casa muito tarde. Ele correu para o quarto, abriu minhas algemas e colocou uma garrafa de água na minha mão.

Ele colocou as mãos sobre meus ombros e sorriu.

- Eu te fiz uma promessa, não foi?

Eu balancei a cabeça, lágrimas apertando o seu caminho para fora dos meus olhos.

- Você precisa me fazer uma promessa de novo - ele sussurrou.

Ele me disse que eu precisava beber toda a água na garrafa isso iria me ajudar a dormir, e que a partir de agora, eu sou nunca posso contar a ninguém que eu já conheci. Eu prometi.

- Eu disse que eu sou o melhor psicólogo escolar no mundo, não foi?

E ele estava certo.

Acordei mais tarde naquela noite, 8 de maio de 1993, véspera do dia das mães, para me encontrar deitado no meio de um parque, as estrelas brilhando brilhantemente em todo o céu noturno. Eu reconheci o parque; que não era muito longe da minha escola.

Um quilômetro e meio abaixo da estrada, eu vi minha casa. As luzes estavam apagadas no interior, mas eu podia ver meu pai sentado no degrau que leva à porta da frente.

Hesitante, eu o chamei. Ele levantou a cabeça lentamente, mas quando viu que era eu, ele ergueu-se, correu para mim de braços abertos, gritando meu nome. Minha mãe abriu a porta e saiu atrás dele.

Dr. Tanner estava certo. As coisas mudaram com a minha família e eu. Meus pais sorriam mais vezes e me trataram com carinho. Eu não poderia pedir um final mais perfeito.

De vez em quando, eu vejo o Dr. Tanner pelo campus e falando de seu escritório. Raramente nós já fazemos contato visual e muito menos falamos um com o outro, mas às vezes ele atira para mim uma piscada e um sorriso.

Eu sempre vou manter minha promessa a ele e fingir que eu nunca o conheci, mas sempre haverá uma questão que sempre vai atormentar minha mente: quem o Dr. Tanner decapitou e jogou abaixo do viaduto?

6 comentários:

  1. Muito boa essa creepy, mas a duvida realmente ficou.
    Aguardando ansiosa ZALGO PT 2

    ResponderExcluir
  2. A cp é boa, mas essa tradução deixou a desejar...

    ResponderExcluir
  3. Muito bom! Parabéns pela creppy, um final surpreendente!

    ResponderExcluir
  4. Muito foooda essa creepy!!!
    Só precisa de uma revisada ...

    ResponderExcluir
  5. eu fiquei meio tristonho quando vi ele falando:

    As filmagens ao vivo continuaram e agora minha mãe e meu pai se aproximaram do pódio. Ambos pareciam ter olhos avermelhados. Lágrimas escorriam pelo rosto de minha mãe quando ela pegou um microfone.

    Eu nunca tinha visto tanta emoção vindo de minha mãe antes que ela chorou ao vivo na televisão, gaguejando em frases como - Por favor, devolva o meu bebê de volta para mim – e - Eu sinto muito – e - por favor, traga-o de volta para casa.

    Quando meu pai pegou o microfone, eu quase esperava sua atitude fria como sempre, mas ele também tinha lágrimas em seus olhos. Ele implorou ao mundo para trazer seu filho para casa em segurança e por fim implorou por meu perdão! - Eu sei que não tenho sido o melhor pai, mas porra que eu gostaria de ter sido agora. Por favor, traga meu filho de volta.

    ~~~~~~~~~

    Isso não é uma creppypasta, eu acho, porque não dá muito medo

    ResponderExcluir