O palhaço, a tinta e as turbinas




Jamais esquecerei a experiência que vivi naquele lugar. Você deve ouvir isto para saber mais sobre a coisa que eu vi e porque você deve ser cuidado lá fora, o mundo é sombrio. Minha vida ficou traumatizada por este evento. Sinto que escrever sobre isso me ajudar a liberar algumas das terríveis lembranças do que aconteceu. Minha pobre família.


Quando eu era mais jovem, minha família comprou uma bela casa no que parecia ser no meio do nada. Era barato e apenas a 5 km da minha escola. Era maravilhoso. Eu me lembro de todas que aquelas vezes que eu costumava brincar no jardim com meus brinquedos e pensar sobre como grande a vida era. A escola obviamente era uma chatice, mas a ideia de que este lugar era meu parque de diversões natural era incrível. Eu era filho único, então tive que inventar alguns jogos para me manter entretido quando meus pais saiam. Minha vida era brilhante. Todos os dias depois da escola, eu voltava para casa, correndo lá fora e então entrar no meu mundo por horas. A vida era maravilhosa.

No entanto, havia duas perguntas que começaram a me incomodar depois de um longo tempo. Primeiro era que meus pais nunca me permitiam entram em seu quarto, e sempre deixam a porta firmemente trancada. Isso nunca realmente me incomodou no início da vida neste "palácio", mas então eu percebi que a coisa toda em si, era estranha. A segunda questão é esta: Havia campos que rodeavam nosso quintal e estes campos eram cheios de turbinas eólicas. Muitas delas. Não entendia pra que elas serviam naquela época. Foi há muito tempo atrás. Estas turbinas pareciam ser infinitas. Faziam me sentir muito fraco e vulnerável. Elas pareciam olhar para você, com os braços girando, girando, girando durante todo o dia. Disseram-me para nunca ir para esses campos. Não foi por causa das turbinas. Ah não. Foi por causa de uma figura que podia ser vista à distância durante todo o dia e a noite toda. Que diabos era aquilo?

Um dia, minha mãe foi à cidade e ela me deixou sozinho em nosso labirinto de uma casa. Digamos que foi irresponsável da parte dela, eu tinha apenas 9 anos e meu pai estava no trabalho, então ele não poderia cuidar de mim. De qualquer forma, eu só aceitei e ela saiu. Fiquei muito feliz de estar sozinho. Eu poderia brincar meus próprios jogos em casa e ninguém poderia me deter. Eu estava em êxtase. Eu não perdi tempo e fui para fora no jardim e as turbinas novamente pareciam olhar para mim, convidando-me para os campos onde eles trabalharam. Eu não pude resistir. Ninguém estava aqui para me repreender, então poderia escapar por alguns minutos!


Caminhei lentamente pelo meu jardim, chutando alguns brinquedos para fora do caminho. Minha mente começou a imaginar e inventar histórias. Eu olhei à esquerda e para a direita, depois me virei para ver se alguém podia me ver. Eu continuei em direção a cerca do jardim e no campo. Subi por cima do muro com muito esforço, como um velho tentando mover-se do seu lugar. Eu consegui pular a cerca de madeira e olhei com temor ao ver estas coisas. Então eu olhei para baixo na planície e notei que aquela figura. Ela estava muito longe, mas meus pais nunca saberiam o que eu fiz essa tarde. Então comecei a atravessar o campo, mantive meus olhos na figura. Não senti medo enquanto eu continuava em direção das turbinas, mas achei que devía voltar para trás. Não queria mais ficar neste campo. Não porque eu estava com medo disso. Geralmente eu não gostava das turbinas. Desta vez, eu estava entediado. Qual foi a razão disso tudo? Provavelmente meus sabiam que era apenas uma estátua ou algo assim. Eles só diziam pra me afastar para eu não sair da vista deles. Cada criança deve explorar. Faz parte do crescimento.

Eu comecei a voltar para trás, mas como eu fiz isso, o céu de repente ficou escuro. Muito escuro. Deve ter chegado a uma nuvem de tempestade. Ótimo. Agora eu poderia ficar todo molhado e eu seria apanhado pelos meus pais. Comecei a correr de volta para casa. Algo não parecia certo. Todo o meu corpo começou a se sentir formigamento, como um arrepio gelado. Eu corri de volta para a casa e levou e dei uma rápida olhada no campo, foi quando eu notei isso, a figura havia se movido. Eu não em pensei em nada na época. Corri para o meu quarto e olhei pela janela e percebi que ele tinha novamente havia se movido. A figura estava agora olhando para a casa. Normalmente ele só olhava para as turbinas.

Passei o resto da noite pensando em tudo o que tinha acontecido naquele campo. O que era essa coisa? Tinha que ser uma pessoa. Talvez ele estivesse preso. Se ele não foi embora, talvez porque esteja precisando de ajuda, certo? Eu fui para a cama naquela noite me sentindo um pouco estranho. Não tenho medo, apenas, estranho.

No dia seguinte, minha mãe saiu de novo e ela me deu a opção de ficar em casa ou ir com ela. Eu fui com ela? Não, claro que não fui. Eu fiquei em casa e voltei para os campos com uma sensação de medo no meu estômago. Eu não sabia o porquê. Esta pessoa parecia solitária. Eu precisava perguntar o que ela estava fazendo. Eu arranquei alguma coragem e comecei a caminhar. Eu nem pisquei. Eu só mantive meus olhos sobre a figura durante toda caminhada. Ele definitivamente estava olhando para mim, sem dúvida. Eu acenei para ele, por sua vez, não recebi nenhum gesto de volta.

Conforme eu me aproximava, notei a roupa que a figura estava usando. A maioria das roupas da figura era vermelha. A figura usava um chapéu com uma pena branca no topo. Até mesmo os sapatos eram vermelhos. Poderia ver o rosto agora. Eles tinham um nariz bulboso vermelho. A parte inferior, a metade de seu rosto foi pintada de azul. Parecia que seus lábios estavam pintados de branco. Esta pessoa era um palhaço. O que um palhaço estava fazendo no meio de um campo observando minha casa?

- Olá – Eu gritei.

Não houve resposta. Eu estava a uma distância de justa para o palhaço. A pessoa certamente era um homem. Chamei o palhaço. Nenhuma resposta ainda.

- O que esta fazendo aqui? – Eu perguntei.

De repente, o palhaço num piscar de olhos levantou um pouco a cabeça. Eu dei dois passos para trás.

- Está me ouvindo? – Eu perguntei.

- Você deveria dar mais passos para trás - O palhaço finalmente me respondeu.

- Qual é o seu nome – Eu continuei interrogá-lo.

- Meu nome não importa. Estou aqui porque quero estar aqui. Eu moro aqui, criança... – Respondeu o palhaço.

- Não! Na verdade eu moro aqui - Eu disse, tranquilizando-o.

- Eu moro aqui. Você me perturbou. - E aqueles que me perturbam me ajudam a pintar.

Eu fiquei confuso sobre esta última parte. Ajudá-lo a pintar o que?

- O que quer dizer? Eu vou contar pra minha mãe sobre isso. – Eu disse com uma autoridade infantil. Claro que pensei que eu estava certo. Eu era uma criança. Eu era o chefe nesta conversa. Pelo menos assim eu pensei.

- Sua mãe vai recusar acreditar em você, garoto. Ela é apenas uma mulher sem coração. Ela já me viu. Por que você acha que ela não quer você venha no campo? Ela sabe de mim. Ah eu a avisei. Eu realmente avisei.

Eu estava ouvindo atentamente. Minha mãe esteve aqui? É por isso que ela estava me dizendo para ficar longe? Não, não pode ser. Isto deve ser meu pai caracterizado. Eu pensei que era uma piada cruel para me manter longe deste campo.

- Pare de brincar pai! –  Eu gritei.

- Você acha que seu papai virá te salvar? Não, ele não vai. Você sabe, os seus pais, te deixam muito tempo sozinho, não é? Você sabe o que quero dizer. Você é sempre deixado sozinho em casa. Por que acha que isso acontece? Eu disse a eles. Eu os avisei. Eles estão assustados. Eles têm medo de mim. Esperei por você por um tempo garoto. Quando eles estão fora, eu não estou.

- Como você sabe que eles me deixam sozinho? Quem é você? – Eu gritei

- Seu pior pesadelo.

Ele me cintou. Eu me virei e corri mais rápido que pude. Eu corri e corri e corri por um longo tempo. Olhei para trás. Ele tinha ido. Eu corri volta para casa. Meus pais ainda não tinham chego. O céu estava tão escuro. Era sete da noite. Mamãe e papai devem estar em casa logo, pensei. Eu desatei a chorar e fui para o telefone. O telefone foi quebrado em pedaços. Alguém deve já deve estar em casa. Ah não. Não pode ser!

Eu tinha que sair da casa. Eu estava nas inundações de lágrimas e meus olhos ardentes mantinham a borrar tudo. Esfreguei-os violentamente, quando repetidamente tentei abrir a porta da frente. Mas ele estava do outro lado impedindo eu abrir. Eu ficava puxando a porta, mas nada. Se essa coisa quer meus pais fora de casa, por qualquer motivo, seria por algo no quarto deles? Tentei sacudir para fora o pensamento, mas ele manteve nublando a minha mente. Ouvi barulhos vindos da cozinha. Enxugando as lágrimas, fui lá em cima e invadi o quarto da minha mãe sem pensar em qualquer coisa.

Uma vez que a porta tinha quebrado na parede ao lado dele, fiquei em silêncio. Não queria escrever sobre isto, mas, pendurado no teto, era meu pai. Três correntes surgiram do teto, cada um cavado nas costas, sangue ainda escorrendo de seu corpo sem vida. Eu vomitei. Continuei vomitando toda vez que eu olhava para a coisa. As paredes estavam cobertas por palavras. Depois de arremessar meus olhos para longe do corpo várias vezes notei que as palavras eram todas iguais.

"Sacrifício".

De repente, quando olhei para porta, era ele. O palhaço. Eu gritei enquanto ele caminhava aproximando mais e mais na minha direção. Ele segurou um pincel na mão esquerda e um pote de tinta na sua direita.

- Eu te avisei - ele falou. Ele atirou-se na minha direção. O pote de tinta veio em direção a minha cabeça. Eu gritava e cobri os olhos e então, eu acordei.

Isto parece ser uma trama estúpida, não é? Mas não é. Por favor, continue lendo. Você tem que descobrir a verdade. Foi um sonho, e era de manhã cedo. Eu sonhei com o calvário inteiro. Caminhei lentamente lá pra baixo, segurando a minha cabeça, ela doía muito. Devo ter esperneado no meio da noite por causa do pesadelo e bati com a cabeça. Eu fui vomitar devido ao meu sonho, fez-me sentir mal do estômago. Talvez eu estava ficando doente. Eu chamei pelos meus pais. Nenhuma resposta. Eles devem estar lá fora. Eu fui para a porta de trás, abriu-a e mancando do lado de fora. Eu chamei de novo. Ainda sem resposta. Caminhei até a borda do jardim para ver se eles estavam nos campos. Eu vi alguma coisa à distância. Achei que eram eles. gritei e a figura olhou para mim e acenou. Fiquei feliz de saber que os meus pais estavam sãos e salvos, e que eu ia ficar bem. As turbinas não estavam girando naquela manhã. Passei o resto da manhã assistindo TV. Eu não me incomodei olhando pela janela para ver onde eles estavam. Eu estava muito envolvido assistindo desenhos animados.

Por voltas das 4 da tarde, eles ainda não haviam retornado para a casa. Fui lá fora para procurá -los e foi quando eu parei congelado no meio do jardim. Uma das turbinas estava vermelha. Quando eu olhei para ele, eu gritei de horror. No final de 2 dos "braços" da turbina, havia corpos girando, girando, girando. A figura à distância começou a acenar-me novamente. Ah não. Não podia ser! Isso foi um sonho. Eu era uma concussão! O pote de tinta tinha me feito desmaiar! Foi quando notei que uma escrita em cima do muro. A escrita que não estava lá antes. As palavras que me fizeram sofrem por incontáveis anos até agora.

"Obrigado por me ajudar a pintar!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário