Skype






Tenho certeza que você
sabe o que é o Skype. É um programa gratuito e de mensagens instantâneas, permitindo conversas de voz, webcam e chat com pessoas do mundo todo. Eu tenho usado para manter o contato com velhos amigos: todos nós fomos para faculdades diferentes há duas semanas. Na semana passada eu estava conversando com Annie, uma garota que eu costumava sair no colégio. Nós tínhamos acabado de nos mudar para nossos dormitórios e o primeiro semestre ainda não havia começado; por isso tínhamos bastante tempo para conversar. Passávamos quase a manhã inteira no Skype, as coisas que conversamos, não era exatamente interessante.

Enfim, foi uma manhã de segunda-feira. Eu tinha ido ha uma balada na noite anterior, por isso ainda estava de ressaca, mas eu fui acordado pelo barulho de uma chamada Skype. Amaldiçoando o fato de que eu tinha deixado o meu notebook aberto e massageando minhas têmporas, eu tropecei para fora da cama.

-Hnngh ... Alô?



Meus olhos turvos lutaram para se concentrar no monitor dolorosamente brilhante diante de mim. Era Annie, ela se mostrou sorridente, ostentando seus novos fones de ouvido. Ela deu um aceno alegre e eu respondo com um meio sorriso.

- Olha, parece que alguém exagerou na dose ontem a noite – Ela brincou

- Realmente, você deveria ter me visto noite passada, meus movimentos de dança humilhou todos no clube.
- É imagino. Ei, você não tem uma reunião com o seu tutor para introdução hoje de manhã?
Olhei para o meu calendário, mas a tinta se recusou a parar de se contorcer na página. Eu achava que ela estava certa, e a pequena quantidade de luz solar penetrou em meu domínio sombrio sob as cortinas.

- Sim, foda-se – eu disse - E você? O que você está fazendo hoje?

- Estou na esperança de receber um telefonema da Érica. Ela desapareceu ontem durante uma simulação de incêndio. Ela deixou uma carta em sua mesa, dizendo que ela estava indo para casa.

- E quem é Érica? - Eu perguntei meio sério. Você sabe como é: os seus amigos falam de que muitas pessoas que apenas esquecemos depois de um tempo. Annie fez uma cara de impressionada.

- Minha colega de quarto. Ela simplesmente desapareceu. Quero dizer, só faz um dia, mas ainda é estranho. Depois vou ligar para seus pais, apenas para verificar se esta tudo bem.

Dei de ombros. - Faça isso. Melhor prevenir do que remediar, não é?

Antes que ela pudesse responder, veio à gritaria repentina de um alarme. Annie disse algo que foi abafado pelo barulho, e eu cobri meus ouvidos fazendo uma careta.

- O-o que você disse? - Eu perguntei. Ela tinha que gritar no microfone diretamente:

- Eu disse: isso é o alarme de incêndio! É melhor eu ir lá fora, ou o diretor vai ter um ataque e fazer-nos fazer a coisa toda de novo.

- Que horas eu devo ligar de volta? - Eu perguntei, levantando minha voz, tanto quanto a minha dor de cabeça batendo permitiria.

- Não se preocupe, eu só vou ficar fora por uns cinco minutos. Eu vou deixar o Skype aberto.

Com isso, ela se foi, puxando os fones de ouvido e colocá-los no teclado. Depois de alguns minutos, o alarme de corte.

Então a porta se abriu. No entanto, não era Annie. Aquilo estava usando um azul, manchado de tinta caldeira; um chapéu de estilo gorro; e uma máscara feita a partir do crânio branqueada de algum tipo de cabra ou ovelha. Meus olhos foram atraídos para o seu lado, porém: uma luva de borracha, enrolado em um gancho; o tipo que você vê atrás do balcão em açougues. Por alguns segundos, eu apenas sentado ali, entorpecido me perguntando se era Annie fazendo uma brincadeira comigo.

- Que merda você pensa que está fazendo? - Eu gritei. - Quem é você?

Não houve resposta da figura. Ele não podia me ouvir: Os fones de ouvido ainda estavam plugados no notebook de Annie. Em vez disso, ele simplesmente ficou ali, olhando no quarto. Dez segundos depois, ele começou a se aproximar da mesa. Eu logo peguei meu celular. Eu tinha que avisar Annie! Selecionei o seu número na discagem rápida, sem tirar os olhos da figura na tela. Ele estava olhando fixamente para a câmera; olhos brilhando por trás de órbitas vazias.

Chamando...

Clique.

Toque.

A figura mascarada congelou. Então, lento e deliberadamente, atingiu o seu lado livre fora da câmera. Eu olhava contra a imagem pixelizada, então meu coração afundou.

Ele estava segurando o telefone de Annie. Ela deixou sobre a mesa.



A figura inclinou a cabeça para um lado, brincando comigo no que eu presumo que era para ser um olhar de pena, antes de apertar o botão vermelho no celular e colocar ao lado de seu notebook. Ele enfiou a mão no seu bolso, tirou algo branco e deixou em cima de seu teclado. Eu só vi por um segundo, mas parecia um envelope.

Ele atravessou o quarto abriu a porta do guarda-roupa, entrou inclinando-se para se adequar. Se virou para olhar para o webcam diretamente. A luz pegou seus olhos, e o vi piscando para mim com um sorriso cruel. Em seguida, ele puxou fechou o guarda-roupa.

Olhei para o meu celular. Eu tinha que chamar a polícia, não havia dúvida disso, mas assim como eu marquei o primeiro digito, percebi a inutilidade do gesto. Não haveria o incômodo de encontrá-los e entrar em contato com o departamento na cidade de Annie, a cinquenta quilômetros de distância. Mas chamei de qualquer maneira.

Chamando...

Clique.

Toque.

- Departamento de policia, qual a sua emergência?

- Sim, eu preciso de...

Fiz uma pausa, no meio da frase.

Eu pausei, porque a porta se abriu e Annie correu para dentro. Seu cabelo estava molhado da chuva, e ela sorriu enquanto se aproximava da webcam. Eu gritei tão alto que pude para ela correr, e eu senti as lágrimas beliscar os cantos dos meus olhos. Annie não me ouviu. Ela sentou-se, pegou os fones de ouvido e ajustou o volume.

Por cima de seu ombro, a porta do guarda roupa se abriu.


- Olá, senhor? Qual a sua emergência?

- Senhor? Você se machucou? Você precisa de uma ambulância?

- Você ainda está aí?

- Senhor?

Um comentário:

  1. .......................................... nossa .......................... ?????????????
    ????/..............................???????

    ResponderExcluir