Destino


Naquele momento Jessica parecia tão doce e inocente. Seu cabelo loiro parecia dourado enquanto a pouco de luz que escoava através das janelas tapadas atingia seus cachos. Seu rosto estava vermelho rosado. Realmente, Michael pensou consigo mesmo, ela era a menina mais linda do mundo.


Ele admirou sua filha pela última vez antes de levantar a arma para sua cabeça. O tiro rugiu pela casa como um trovão. O crânio e os fragmentos do cérebro voaram pelo ar quando o corpo de sua filha caiu no chão. Michael arrastou o corpo de Jessica ao lado dos corpos de mãe e do irmão mais velho. Uma única lágrima escapou de seu olho, mas ele rapidamente se recompôs. Tudo acabaria em breve.


Michael olhou para fora da janela do quarto do segundo andar de sua casa.  Aquelas pessoas infectadas se estendia até onde os olhos podiam ver. Ele sabia que era apenas uma questão de tempo antes que eles invadissem a casa como uma praga de gafanhotos. A porta do quarto estava começando quebrar enquanto o barulho ficou mais alto. Não demoraria muito para que os monstros derrubassem a porta. Ele olhou para o pente do revólver. Jessica tinha recebido sua última bala. O último presente um pai pode dar a sua filha. Por mais horrível que fosse, pelo menos, sua amada escaparia de seu destino. O destino que estava prestes a desabar pela porta.

Um comentário: